Interessante

Alcachofras, cultivo orgânico e características das plantas

Alcachofras, cultivo orgânico e características das plantas


O cultivo de alcachofras É uma prática agrícola muito difundida em nosso país, tanto profissionalmente como na horta.
A Itália é de fato um dos maiores produtores do mundo, com safras que se concentram principalmente no centro e no sul da Itália.
O sucesso das alcachofras deve-se à sua grande versatilidade na cozinha, sendo elas protagonistas de inúmeros pratos regionais.
Com os devidos cuidados culturais, esta planta pode garantir excelentes rendimentos na horta familiar.

Então, vamos ver como começar um cultivo de alcachofra, ou uma alcachofra, e quais são todas as medidas de cultivo necessárias.

Identificação e origens

A alcachofra Cynara cardunculus L. scolymus é uma planta da família de Asteraceae ou Compositae, subfamília de Tubuliflorae, tribo do Cynareae, Gentil Cynara, espécies escolimo.
Outras espécies amplamente difundidas são os Cynara cardunculus silvestris, ou cardo selvagem, também conhecido como carduccio, uma espécie espontânea do Mediterrâneo; e a Cynara cardunculus altilis, esse é o cardo doméstico.
Neste artigo, entretanto, trataremos apenas da primeira das três espécies, a principal, cultivada tanto profissionalmente quanto em casa.

A alcachofra tem sua origem entre a costa oriental do Mediterrâneo e o norte da África, até a Etiópia, nação onde ainda hoje são encontradas várias espécies espontâneas.
O cultivo de alcachofras é muito difundido desde a antiguidade e apreciado pelo valor e sabor único das cabeças das flores. Foi amplamente praticado entre os gregos, latinos e judeus e as primeiras descrições botânicas datam do historiador grego Teofrasto.
O termo italiano "alcachofra" e o espanhol alcachofa derivar da palavra árabe Harsciof.

As melhores variedades de alcachofras para cultivar

Existem inúmeras variedades de alcachofras para cultivar, que podem ser divididas em quatro grupos. Vamos ver o que são.

  • Espinhoso: Spinoso Sardo, Spinoso violeta da Ligúria e Spinoso de Palermo. Possuem cabeças de flores de tamanho médio e formato cônico. Eles são considerados espinhosos devido aos espinhos nas folhas internas. São plantas ditas "remanescentes", podendo no verão, graças a abundantes irrigações, revegetar o "toco" e dar uma produção outono-inverno muito apreciada.
  • Catania: alcachofra de Catânia, Siracusa, Masedu, Violeta de Catânia, Violeta de Argélia e Violeta de Provença. São plantas com maturação precoce da cabeça da flor, tamanho médio e formato cilíndrico. Até as alcachofras do grupo "Catanese" são remanescentes.
  • Violetas: Violeta da Toscana, Violeta de Maremma, Violeta de Pesaro, Violeta de San Luca, Violeta Primitiva de Chioggia, Moretto. Sua característica comum é uma grande cabeça de flor elipsoidal.
  • Românica: Romanesco, Campagnano, Mazzaferrata, Castellamare, Grosso Orvientano. São muito populares e apreciados no centro da Itália, com uma produção regular e uma grande flor de cabeça.

Características botânicas de alcachofras

Na natureza, a alcachofra é uma planta herbácea e perene. No cultivo, segue ciclos de vários anos.
As plantas originadas da semente têm uma raiz principal e numerosas raízes secundárias. Alcachofras que derivam de carduccio ou óvulo têm raízes adventícias fibrosas, que crescem carnudas e incham. Nesta fase cessam a sua atividade trófica, para realizar apenas a reserva (veremos as diferenças no tipo de planta mais adiante).

Primeiro ano

No primeiro ano, as raízes maiores, geralmente, não ultrapassam os 40 cm de profundidade. Nas plantas de alcachofra com mais de um ano, a função trófica é mantida enquanto o carduccio estiver em crescimento ativo. Novos carducos continuam a se formar na planta, as raízes fibrosas do ano anterior tornam-se carnudas e as velhas são substituídas.

Anos depois do primeiro

No ano seguinte à implantação, o comprimento das raízes aumenta, chegando a até 1,5 m de profundidade.
O caule rizomatoso tem uma postura ereta e ramifica-se durante a floração. É muito robusto, com estrias longitudinais e folhas largas alternadas, de cor verde intenso acinzentado na face superior, mais claro e com penugem na inferior.
A presença de espinhos nas folhas depende da variedade.
O caule também é chamado de "cepa" ou "coto". Nele se diferenciam as bainhas que, mais tarde, formarão os carducci e as cabeças das flores.
O caule tem altura que varia de 0,5 a 1,5m e traz as cabeças das flores na fase terminal. A cabeça da flor é a parte comestível da alcachofra, quando ainda imatura. Basicamente, não é outro senão a inflorescência.

A inflorescência da cabeça da flor, também chamada de calátide, é formada por uma parte basal (receptáculo carnoso). Aqui estão inseridas as flores do tipo hermafrodita (flosculi), de cor azul-violeta. No tálamo das flores existem múltiplas cerdas brancas, a saber: o "papinho".
As brácteas são inseridas no receptáculo da cabeça da flor, uma acima da outra. As mais internas são tenras e carnudas, as mais externas, fibrosas. As brácteas internas são o "coração" da alcachofra, a parte que comemos. É claro que a cabeça da flor deve ser arrancada antes de florescer.
A polinização das flores ocorre por insetos.
Após o pleno amadurecimento das flores, formam-se os aquênios (o fruto), de formato alongado, seção quadrangular e cor marrom-acinzentada.

O cultivo de alcachofras

Necessidades ambientais

O cultivo da alcachofra requer um clima ameno, mas ao mesmo tempo bastante úmido. Nas regiões centro-sul, o ciclo produtivo ocorre no outono e na primavera. Em áreas mais frias, entretanto, tende a produzir na primavera e no verão. Quanto ao proteção do frio, a planta da alcachofra resiste bem a temperaturas próximas de zero. As temperaturas mais baixas começam a causar danos às folhas e às flores. No entanto, abaixo de -10 ° C, o caule e os botões podem ser danificados.
A planta também pode ser afetada pelo calor excessivo. Por isso, normalmente, a fase de repouso vegetativo vai desde o final da primavera até os períodos mais quentes do verão.

Preparação e fertilização do solo

Para o cultivo de alcachofras, o ideal é tê-las disponíveis solos profundos de textura média. Eles também precisam ser drenados e com um pH com reação neutra a sub-ácida. Em solos muito soltos, ou vice-versa em calcários, a planta produz flores menores. Em solos argilosos, a formação da cabeça da flor ocorre tardiamente. A planta também tolera bem os solos caracterizados por salinidade moderada.

Como a alcachofra pode permanecer na mesma porção de terreno por até 5 ou 6 anos, muita atenção deve ser dada à fase de preparação do solo.
Esta cultura se beneficia de uma aração profunda antes do plantio (40-50 cm), enquanto enterra muito estrume maduro. A dose recomendada é de 5 kg de estrume por 1 m2. Se você não tem estrume maduro, uma boa alternativa é estrume peletizado como isso. Neste caso, para a dosagem recomendamos seguir as instruções do rótulo.
Este tipo de processamento pode ser realizado no início do verão ou no outono.
Outro cuidado é que antes de prosseguir com a planta, da maneira que veremos em breve, é necessário triturar e nivelar a superfície do solo. Nesta fase, vias de drenagem de água também devem ser fornecidas. Na verdade, a estagnação da água é um dos principais problemas no cultivo de alcachofras, causando asfixia radical e apodrecimento da planta.

Sistema de irrigação

As áreas de cultivo de alcachofra são principalmente as centrais e meridionais. Essas áreas às vezes são caracterizadas por longos períodos de seca. EU'irrigação, portanto, é imprescindível obter boas produções.
O abastecimento de água necessário deve ser sempre garantido, com exceção do período de descanso da planta.
Em muitas áreas do sul, então, a irrigação é usada entre julho e agosto para antecipar o despertar vegetativo e a produção. Com esta técnica, as variedades que anteriormente definimos como remanescente (grupo “Spinosi” e “Catanesi”), são capazes de produzir produção após cerca de 90 dias do despertar, portanto no outono. O despertar geralmente ocorre em setembro, com chuvas abundantes. A produção ocorre após 120-140 dias, também devido às temperaturas mais baixas.
No caso das variedades posteriores, a irrigação é usada em nascentes secas. Não se trata tanto de antecipar o despertar, mas de obter um produto de alta qualidade e prolongar o período de colheita.
Para a irrigação de alcachofras na horta, recomenda-se a utilização do sistema por deslizamento ou infiltração lateral de água. A água é feita escoar para as ranhuras, que obviamente devem ser preparadas para o plantio da alcachofra.

O plantio, as quatro técnicas diferentes

Para plantar alcachofras e iniciar o cultivo, existem três técnicas distintas, a serem realizadas em épocas distintas. Para toda a distância de plantio que deve ser respeitada é de 1 m entre as linhas e as plantas.
Essas técnicas são

  • Mudas plantadas com pão de barro;
  • Carducci plantada;
  • Óvulos plantados;

Depois, há também a possibilidade de prosseguir com o semeadura direta.

Vamos ver agora, um por um, como funcionam as três técnicas de plantio e semeadura.

Mudas com pão de terra

Na horta caseira, a técnica mais simples para o plantio de alcachofras é plantar com mudas já formadas e com pão de barro, que recomendamos comprar em viveiros orgânicos certificados.
A melhor época para o transplante são os meses de abril e maio.

Plantio do carducci

Outra técnica de plantio de alcachofra é o enterro de carducci. São brotos retirados da base de plantas com mais de um ano de vida, portanto, para ampliar o campo de alcachofra.
Devem ser brotos bem desenvolvidos, cerca de 30-40 cm, com boa porção de raízes e providos de pelo menos 4-5 folhas. A parte terminal do carduccio deve ser coberta cerca de 5 cm antes da implantação. Com essa técnica, você pode escolher dois períodos para a planta: de meados de fevereiro a meados de abril, ou de meados de setembro ao final de outubro.

Plantação de óvulos

O plantio de óvulos para cultivo de alcachofra é praticado nas regiões sul onde existe a possibilidade de irrigação. Os óvulos são gemas que se formam na base do caule, ou são os carducci em estado embrionário.
A melhor época para colhê-los e plantá-los é entre os meses de julho e agosto.

Semeadura direta

Para iniciar o cultivo de alcachofras existe também a possibilidade de semeadura direta na horta. Isso deve ser feito no mês de maio, quando os riscos de congelamento ou quedas bruscas de temperatura já foram evitados.
A semente enterra-se a uma profundidade de cerca de 1,5 cm, mantendo uma distância de 1 m entre as linhas.
Na linha a semeadura é mais intensa, à medida que se procede ao desbaste das plantas.
Quando as mudas nascidas da semente atingirem a altura de cerca de 10 cm, devem ser desbastadas deixando as melhores e sempre respeitando a distância de 1 m na linha.

O cuidado cultural das alcachofras

Dicioccatura

O cultivo de alcachofras requer cuidados culturais específicos e únicos.
Em primeiro lugar, temos a dicioccatura, que é uma operação que visa eliminar os caules que já produziram as cabeças das flores. Obviamente, essa limpeza é realizada após o primeiro ano de implantação.
O período para realizá-lo é o início do verão, quando a planta está seca.
Tecnicamente, a dicioccatura é realizada cortando o caule cerca de 4 cm abaixo do solo, eliminando também os botões que se formaram nesse ínterim.
Para fazer este corte é aconselhável usar uma enxada bem afiada, pois o caule será muito duro e resistente.
O material removido deve ser retirado do campo para evitar o apodrecimento.

Minando

Outra operação particular é o descolamento, que consiste na retirada do excesso de carducci. Isso também é realizado nos anos seguintes ao primeiro implante. Normalmente sobram 2-3 carducci para cada planta, escolhendo a mais vigorosa. Eles produzirão mais rápido e com cabeças de flores maiores.
O número de intervenções de desarme a serem realizadas varia de acordo com a cultivar, a idade da alcachofra e nossa escolha de quantos carducci deixar.
Em média, isso é feito duas vezes durante a temporada, ou seja, no outono ou no final do inverno-início da primavera.
Os carducci eliminados podem ser usados ​​para expandir a alcachofra (a maior), ou na cozinha como se fossem cardos (a menor).

Tamping

Outra operação que é realizada na planta de alcachofra é a de socar. Essa técnica nada mais é do que o trabalho de trazer a terra de volta à base da planta com uma enxada. É uma operação praticada sobretudo nas regiões Norte, onde os riscos de geadas são maiores. Por outro lado, pode ser negligenciado em áreas com clima ameno durante o inverno.

Remoção de ervas daninhas

Dado o longo período de permanência na horta que as alcachofras possuem, é aconselhável providenciar periódicos capina. Essa técnica consiste em limpar o solo ao redor da planta de ervas daninhas. É operado com enxada e principalmente na entrelinha. Na base das plantas, dado o vigor vegetativo, o problema das ervas daninhas costuma ser limitado.

A colheita de alcachofra

A colheita da alcachofra deve ser feita quando o caule que contém a cabeça da flor estiver alongado. A cabeça da flor deve ter as brácteas bem fechadas e deve ter atingido o tamanho que esperamos da variedade.
Atrasar muito a colheita pode comprometer a qualidade final do produto. As brácteas começam a se alargar e a mudar de cor, enfim, caminhamos para a floração. Portanto, a cabeça da flor fica mais dura, até que não seja mais comestível.
O corte da cabeça da flor é feito retirando uma parte do caule (cerca de 10 cm) e fazendo um corte de apito. Em suma, o mesmo tipo de corte que vimos falando em geral do poda de plantas.
Dependendo da variedade, 4 a 15 flores por planta podem ser colhidas. Esta colheita é gradual, inicia-se em fevereiro-março e termina em maio-junho nas variedades de primavera (Centro-Norte). Em vez disso, começa em outubro-novembro e termina em maio nas variedades de outono (Sul).

Adversidade e parasitas

A defesa biológica contra adversidades e parasitas é um dos aspectos mais críticos do cultivo de alcachofras.

Pulgões

Entre os parasitas animais mais perigosos da alcachofra está opulgão, especialmente as espécies Brachycaudus cardui, específico para a planta.
Esses pulgões formam grandes colônias em caules, folhas e botões de flores. Devem ser mantidos sob controle, sob pena de produção de muita melada e fumaggina e, conseqüentemente, a deterioração da planta. Uma solução é representada pela intervenção do insetos benéficos, especificamente o joaninhas. Se esta intervenção não for eficaz, é necessário intervir com lavagem abundante de sabonete de potássio macio. Você pode ter um produto específico para agricultura orgânica encontre aqui.
Contra os pulgões da alcachofra, o uso de macerados naturais, como o dealho e d 'urtiga, tem muito poucos efeitos preventivos.

Lepidópteros

Outras pragas prejudiciais à planta da alcachofra são duas espécies de lepidópteros, a saber, os depressários (Depressaria erinaceella) e o noite (Gortyna xanthenes).
A depressária no outono põe seus ovos na planta. As larvas nascem deles e se desenvolvem durante o inverno cavando túneis entre as folhas e os botões das flores.
Já a noite da alcachofra inicia sua única geração anual em torno do mês de fevereiro. Ele também cava túneis dentro das folhas, ataca o caule e corrói as cabeças das flores.
Para ambos os parasitas, recomendamos o uso de Bacillus thuringiensis, assim que a presença das larvas for notada. Um excelente produto adequado para agricultura orgânica encontre aqui.

Doenças fúngicas

Dentre as adversidades relacionadas às doenças fúngicas, a mais temível para o cultivo de alcachofra é aoídio.
Esta doença criptogâmica, também conhecida como doença branca (Leveillula taurica forma cynarae) se manifesta com manchas cloróticas amarelas na superfície da folha. No estágio seguinte, a planta é então coberta por um mofo branco irritante. As partes do aparato foliar afetado primeiro ficam amarelas e depois secam.
O período mais favorável para o aparecimento da doença na alcachofra é o final do verão, nos dias quentes e úmidos.
As melhores maneiras de prevenir a presença desta doença sãouso de bicarbonato de sódio e / ou enxofre em pó molhável (produto permitido na agricultura orgânica) isso você pode encontre aqui.

Também pode interessar a você

Cultivo orgânico

Cultivo Orgânico é um blog que nasceu da nossa vontade de divulgar as boas práticas da agricultura orgânica. Para isso decidimos dar o nosso conhecimento a quem quer se envolver e fazer a sua própria horta (mesmo usando um terraço ou uma simples varanda). Cultivar sem o uso de agrotóxicos é possível e queremos provar isso apresentando alternativas biológico e eficaz para qualquer tipo de problema ligado à agricultura.


Cedro: características e cultivo da planta

O frutas cítricas são plantas perenes muito bonitas para manter no jardim ou em vasos. O mais popular é o limão, mas uma bela alternativa a ser descoberta pode ser o cedro.

O cedro é uma planta muito perfumada e agradável que podemos cultivar tanto por sua beleza quanto por colher seus grandes frutos amarelos, muito adequado para a preparação de frutas cristalizadas, para uso em sobremesas, mas também em saladas de verão.

Então vamos ver como cultivar o cedro da forma mais ecológica, mas também eficiente, para ter plantas bonitas e produtivas, respeitando o meio ambiente. com métodos biológicos.


Na planta: descrição e características

Embora não seja tão conhecido, Sulla é um planta forrageira herbácea muito útil. Recentemente domesticada, esta planta é cultivada por muitos propósitos e usos. Mas vamos ver quais são suas características gerais e sua aparência.

O termo "Hedysarum”Do nome botânico, sugere uma fruta com sabor doce e açucarado. Por "coronário", entretanto, provavelmente nos referimos à "coroa". A referência é provavelmente à forma da flor Sulla.

A planta cresce espontaneamente em muitos terrenos e lugares diferentes, mas como todos plantas leguminosas prefere eu solos macios e bastante úmidos. No entanto, osistema radicular de raiz axial e muito desenvolvida, distingue-se das outras leguminosas.

Na verdade, sua capacidade de penetração no solo é notável e isso o torna adequado também para substratos argilosos e argilosos do Plioceno.

O Sulla também é caracterizado pelo haste robusta e quadrangular. Os caules são eretos e não pendentes, bastante grossos e tendem a lignificar com o tempo, especialmente após a floração. As folhas são ligeiramente ovais, elípticas e pubescentes nas margens. O Florpor outro lado, lembra muito o típico das leguminosas.

Consiste em uma inflorescência axilar alongada e globular, tipicamente em forma de cálice. As pétalas da corola assumem cores que vão desde roxo vermelho para branco e florescer no final do Primavera (de abril a junho).

O fruto de Sulla e suas flores

finalmente, o fruta della Sulla é uma leguminosa definiu que quando maduro é dividido em vários segmentos amarelos. Cada segmento contém um semente. Sua aparência é arredondada, amarelada, aquosa e açucarado.

Graças a essas características, as flores Sulla são muito apreciadas por abelhas que fazem disso um saboroso querida, a mel de sulla, enquanto as frutas e caules são uma excelente fonte de nutrição para animais pastando e pássaros.


Como fazer uma alcachofra

Preparação do solo. Já falamos sobre a importância de um solo bem trabalhado e bem fertilizado para o plantio de alcachofras: se possível, o processamento deve chegar a 40-50 cm, cavando tanto no verão quanto no outono. A fertilização do campo de alcachofra, por outro lado, deve ser abundante, visto que esse cultivo pode durar vários anos. Leva cerca de 5 kg de estrume maduro por metro quadrado de campo para ser cultivado com alcachofras. Se o solo do jardim não escoar adequadamente, é aconselhável fazer canteiros elevados para evitar a estagnação, neste caso diz-se que a alcachofra é feita em troncos ou em porche.

Plante as alcachofras na horta

Existem três métodos de plantio de alcachofra: semeadura, reprodução de rebentos e plantação de ovos. O primeiro é certamente o método mais longo, enquanto os outros dois exigem que você tenha plantas de alcachofra existentes (suas ou de conhecidos) para propagar novas plantas por meio de estacas.

  • Semeadura (fevereiro a maio). Como a maioria das plantas, a alcachofra também pode ser semeada, o período ideal para isso é entre fevereiro e março em canteiro protegido. Se quisermos plantá-la diretamente no campo, porém, ela deve ser semeada na horta em abril ou maio (dependendo da zona climática em que é cultivada). Quem semeia em canteiro terá que transplantar a muda de alcachofra no mês de maio, na época do transplante deve-se regar abundantemente e depois continuar regando regularmente nas primeiras semanas.
  • Reprodução de otários (março / abril ou setembro / outubro). Os rebentos da alcachofra, também chamados de "carducci", são aqueles brotos retirados da base da planta e que têm um ano de idade. Carducci pode ser usado para obter novas plantas por cultivo de propagação. Para isso, os rebentos são cortados com sua porção radicular, escolhendo aquelas já desenvolvidas com no mínimo 4 a 5 folhas, com 25/40 cm de comprimento. Esta operação é feita durante a primavera (entre março e abril) ou no outono (entre setembro e outubro).
  • Plantio dos ovos (julho e agosto). Como veremos a seguir, as alcachofras também podem ser reproduzidas com ovos obtidos durante a operação de decocking. Em algumas áreas, esses óvulos também são chamados de carducci; na realidade, os ovos são brotos não eclodidos, enquanto os carducci são aqueles já desenvolvidos (rebentos). Para plantar os ovos, o solo é movimentado, fertilizado abundantemente e o ovo colocado no solo a uma profundidade de 4 cm. O ovo deve ser implantado durante o período de dormência do verão, ou seja, julho ou agosto.

Sexto do implante. As alcachofras pedem espaço: são plantadas no jardim em fileiras de um ou dois metros de distância, deixando um metro entre uma planta e outra ao longo de cada fileira. Este sexto da planta considera tanto o tamanho da planta quanto o fato de ser um cultivo que dura mais de um ano, aliás é importante dar espaço para estender a alcachofra ao longo do tempo.


diascia é um gênero de herbáceo pertencente à família de Scrophulariaceae. É uma planta nativa do sul da África que pode ser facilmente cultivada tanto em campo aberto quanto em vasos.

Tem uma cobertura pendente ou ao solo e é constituído por caules verdes muito semelhantes aos da surfínia. O sai, de cor verde claro, são lanceoladas ou ovóides pontiagudas. O inflorescências podem ser de várias cores dependendo da espécie: os tons variam do rosa ao vermelho, laranja, amarelo e branco. Estas flores são reunidas em racemos. Lá floração ocorre do final da primavera até o final do outono.

Diascia é cultivada como planta ornamental por causa da bela folhagem e flores coloridas. Na Itália, as variedades mais comuns são as diascia barberae (imagem de visualização) e o amarrado esta última é uma espécie perene que entra em repouso vegetativo no inverno, deixando a parte aérea secar.

Cultivo

Multiplicação

Esta planta se propaga tanto para semeadura ambos para corte. No primeiro caso, as sementes são colocadas em um canteiro aquecido e protegido no início da primavera. O solo deve ser mantido úmido até o aparecimento dos primeiros brotos. Quando as mudas passaram eu 5 cm em altura, podem ser transferidos em vasos ou no solo.

Multiplicação por corte é realizada no final de maio, retirando porções apicais das aranhas mais robustas, com cerca de 10 cm de comprimento, e colocando-as em um recipiente com uma mistura de areia e turfa em partes iguais. O recipiente deve ser mantido em um ambiente semi-sombreado mantendo o solo úmido. Quando novas folhas brotarem das estacas, o enraizamento será considerado completo. Ao chegar ao 15 cm em altura, as mudas podem ser transplantadas para o solo.

Exposição

A diascia prefere ambientes claros com muito sol, desde que estejam protegidos do vento. Em regiões onde os verões são muito quentes e o sol é particularmente violento, para evitar queimaduras nas folhas, é necessário colocar as plantas em uma área em semi-sombra talvez debaixo de árvores ou sebes.

Chão

Esta planta cresce bem em solos macio, solto, bem drenado e misturado com areia melhor se for rico em substância orgânica e com pH ácido.

Irrigação

Necessidade de rega constante, especialmente nos meses de verão e nos períodos mais secos. É aconselhável deixar o solo secar entre uma rega e outra. Se a planta for cultivada em vasos, é necessário esvaziar o pires de qualquer estagnação, para evitar o aparecimento de apodrecimento das raízes.

Fertilizações

É uma boa prática administrar fertilizante específico para plantas com flores a cada 15 dias. Como alternativa, você pode optar por uma solução mais conveniente, que é ter um fertilizante granulado de liberação lenta na base da planta a cada dois meses.

Poda

Quando os caules murcharem é bom cobri-los para garantir a emissão de novos brotos. Para esta operação, recomendamos o uso de tesouras afiadas e desinfetadas para evitar que se tornem um veículo para doenças.

Doenças e parasitas

A diascia pode ser afetada poroídio (ou branco ruim) Pelo contrário, a parte de não tem medo do ataque cochonilhas ou pulgões, mas é freqüentemente atacado por caramujos ávidos por suas folhas. Descubra como fazer uma armadilha para caracóis.


Fertilização da alcachofra

Dê o seu altas exigências nutricionais, necessidades de alcachofra fertilizante melhor se orgânico (estrume).
O período de fertilização da alcachofra é de reinício vegetativo, em setembro e fevereiro.
Alternativamente, um fertilizante químico baseado em nitrogênio, fósforo e potássio. As doses dependem do tipo de solo em que a alcachofra cresce, se por exemplo for calcária é necessário aumentar o aporte de fósforo e potássio.
Outro fator a considerar é o grau de lavagem do solo: quanto maior for, mais será necessário aumentar a quantidade de fertilizante.


Cultivo de vegetais, frutas e ervas: os guias

Trata-se de vegetais de horta, fruteiras e ervas aromáticas: nos guias do Orto Da Coltivare encontrará dados importantes especificados para cada vegetal, como as distâncias corretas, os períodos de semeadura e transplante e todas as outras informações úteis para iniciantes desde arranhe para cultivar, mas também percepções interessantes para aqueles que são mais experientes.

Pimenta calabresa diavolicchio


Certificação europeia

A União Europeia estabelece diretrizes rígidas para produtores e fornecedores que se definem como orgânicos. Em nenhum momento do processo de cultivo podem ser usados ​​pesticidas químicos ou fertilizantes artificiais e a modificação genética é proibida. A União Europeia nomeou um órgão independente para cada país, que tem o dever de verificar a aplicação das presentes orientações várias vezes por ano. Quando um produtor ou fornecedor atende aos requisitos, a empresa em questão obtém a certificação orgânica. Ao adquirir plantas orgânicas, é importante verificar cuidadosamente a presença do logotipo orgânico europeu. É um logotipo verde com uma folha composta de estrelas brancas. Você também pode encontrar este logotipo em nossos produtos cultivados organicamente.

Você quer dar os primeiros passos em direção à jardinagem orgânica? Conheça nosso sortimento de plantas cultivadas de acordo com os critérios da agricultura orgânica


Vídeo: Horticultura: Características das olerícolas curso completo em vídeo com certificado na descrição